TERCA, 04/05/2021, 19:05

Abril é o mês mais seco da história da região, segundo IDR

Especialista avalia que estiagem pode durar ainda mais e falta de chuvas tem provocado caos para agricultura do estado.

De acordo com os dados do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR), antigo IAPAR, a média histórica de chuvas para o mês é de aproximadamente 108 milímetros, mas, neste ano, nem um pingo de chuva foi registrado em abril, aqui na região.

De acordo com Heverly Morais, agrometeorologista do IDR, desde o início do monitoramento pela instituição, em 1966, nunca havia se registrado um período tão seco como o mês passado. A última chuva significativa na região foi no dia 29 de março, quando em um único dia o volume apontado foi de 135 milímetros. O que também pode ser prejudicial.

Ela explica que o Paraná segue sob influência do fenômeno El Niña, que ocorre quando o Oceano Pacífico apresenta queda na temperatura da superfície das águas. Esse efeito climático faz com que haja um menor volume de chuvas e também afeta os padrões de temperatura de diferentes regiões.

A agrometeorologista também aponta que o Paraná passa por um bloqueio atmosférico, que impede que frentes frias avancem trazendo chuvas para o estado. Segundo ela, a seca deve perdurar pelo menos por mais 10 dias.

Para o campo, os reflexos são preocupantes. Heverly considera que a estiagem prolongada tem provocado caos na agricultura da região, afetando diversas culturas e comprometendo, por exemplo,

as plantações de milho segunda safra, podendo até registrar perdas e quedas na produção.

Ela explica que a seca também prejudica a saúde da população, com a umidade relativa do ar em níveis extremamente baixos. E, de acordo com Heverly Morais, ainda há mais um agravante neste período do ano, quando começam a cair folhas secas: as queimadas. Ela afirma que, além de ser um crime ambiental, a prática pode acentuar os danos, em especial ao sistema respiratório.

Denúncias de crimes ambientais podem ser encaminhadas de forma anônima ao Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde, pelo telefone 181. Ou ainda por meio do site da Ouvidoria da Polícia do Estado: seguranca.pr.gov.br/ouvidoria.

Por Victor Assis

Comentários