QUINTA, 25/02/2021, 17:32

Conselho Municipal de Educação pede ampliação do contato presencial no ensino

 Em documento, entidade demonstrou apoio a professores, mas considera que continuidade das restrições pode prejudicar alunos

A carta aberta publicada pela organização na manhã desta quinta-feira (25) considera preocupante a situação dos estudantes da rede municipal de ensino. Segundo o documento, o contexto sanitário de Londrina é grave. Mas, os impactos negativos da pandemia e do distanciamento social para os alunos não podem ser deixados em segundo plano.

De acordo com a declaração do Conselho Municipal de Educação de Londrina (CMEL) , é fundamental, neste momento, que o Poder Público garanta uma retomada gradual e escalonada ao ambiente escolar. A entidade ainda afirma ser indispensável que ocorra a ampliação do contato presencial para fortalecer vínculos sociais e educativos nas unidades de ensino.

Segundo Simone Cristina de Farias Cavalin, presidente do CMEL, a carta não pede pela volta integral das aulas na cidade, mas por novos avanços para um possível retorno às atividades escolares presenciais.

 

O documento ainda considera que o afastamento prolongado pode interferir na formação das habilidades físicas, cognitivas e afetivas dos estudantes. Simone explica que a declaração leva em conta os danos identificados na rede municipal.

Os prejuízos, de acordo com a educadora, são percebidos tanto no processo pedagógico dos estudantes, que perdem janelas de oportunidades para o aprendizado, mas também se desenvolvem no campo emocional.

 

Ela destaca, porém, que a carta aberta é direcionada à população e não tem intenção de ofender o poder público ou servidores da prefeitura. Simone lembra que a rede municipal de ensino desenvolveu medidas importantes para que os alunos continuassem sendo atendidos mesmo durante a pandemia e afirma que o documento manifesta apoio aos profissionais da educação.

 

As consultas pedagógicas feitas pela rede municipal de ensino vêm sendo desenvolvidas desde o ano passado. Até o momento, mais de oito mil atendimentos individuais foram realizados. Em Londrina, as aulas presenciais seguem suspensas até o dia 28 de fevereiro, de acordo com decreto municipal.

Por Victor Assis

Comentários