QUINTA, 16/02/2017, 19:40

Depois de quase quatro meses, o horário de verão chega ao fim no próximo domingo à meia noite

Polêmicas e gostos à parte, tem gente montando até estratégia pra não perder a hora no domingo.

Foram quase quatro meses. O horário de verão, que começou no dia 16 de outubro, termina no próximo domingo à meia noite. Os relógios devem ser atrasados em uma hora em dez estados do país e no Distrito Federal. No Brasil, o horário de verão vem funcionando desde 1931. Sendo que em alguns anos ele deixou de ser aplicado. Sempre houve os que adoram e os que detestam. Mas, polêmicas à parte, uma coisa é certa o corpo vai precisar de um tempinho para se reprogramar. A encarregada de vendas Thamires Pavan diz que adora o horário de verão, apesar de começar no trabalho ainda escuro, às 5 da manhã.

O domingo fecha o horário de verão justamente por não ser dia de trabalho para a maioria das pessoas. Mas, apesar disso os atrasos acontecem. Funcionárias de uma empresa aérea que trabalham no aeroporto não tinham autorização pra gravar entrevista, mas confirmaram à reportagem da CBN Londrina que essa é a desculpa mais usada nos domingos pós-horário de verão. Sempre tem aquele passageiro que usa o fim do horário de verão como desculpa. Principalmente pra tentar não pagar a multa pela perda do vôo.

O taxista Isaias Pereira, que também já foi motorista de ônibus, diz que tem uma estratégia pra não perder a hora nesse domingo, já que vai ser mais um dia levando e trazendo gente do aeroporto. Ele diz que um despertador é pouco.

O fim do horário de verão fez com que a Infraero, que administra 59 aeroportos no país, emitisse uma nota alertando os passageiros sobre a mudança e recomendando a quem tem viagem marcada para o domingo que fique atento aos horários dos bilhetes. E orienta que em caso de dúvida, os passageiros devem entrar em contato com às companhias aéreas.

Segundo a Copel, a economia de energia na casa do consumidor paranaense, durante o horário de verão desse ano, deve ficar próxima de 0,5%. Em quase quatro meses, somente no Paraná, a economia foi de algo em torno de 250 megawatts. O suficiente para iluminar uma cidade como Maringá no mesmo período.  

Por Marcos Garrido

Comentários

Publicidade