SEGUNDA, 10/02/2020, 06:50

IAP realiza ao menos três tentativas por semana para capturar macaco do Bosque

O animal que foi capturado em janeiro teve alta e está sendo encaminhado para o Zoológico em Cascavel.

Ainda na primeira quinzena de janeiro desse ano, o Instituto Água e Terra de Londrina – IAP retirou do Boque Central um, dos dois macacos pregos que viviam no local.

De acordo com o setor técnico do departamento de fauna e flora o outro macaco que ainda vive no local é mais arisco e não tem facilidade de ser capturado.

O Instituto revelou à nossa reportagem que tem tentado ao menos três vezes na semana a captura do segundo macaco do Bosque.

O órgão ressaltou que não grava entrevista sobre a forma de captura que deve ser a mais natural possível como foi a do primeiro animal, para isso, não pode ter espectadores nem a presença de câmeras, por esse motivo não revelam o horário e as datas de tentativas de captura.

O órgão continuará na tentativa de capturar o segundo macaco. Porém, vale ressaltar que este animal fica mais no alto das árvores e dificilmente desce ao chão.

O Instituto ainda ressalta que, por se tratar de um animal pequeno demais, o uso de dardo com tranquilizantes poderia acertar em local vital e também pela altura das árvores essa opção se torna ainda mais difícil.

A polêmica envolvendo os macacos pregos no Bosque iniciou no fim do ano passado.

Em novembro uma mulher foi mordida por um dos macacos no Bosque. Já em janeiro uma idosa de 71 anos também foi atacada. A mulher foi atingida por mordidas no calcanhar. Ela foi hospitalizada e medicada, recebeu alta e depois liberada.

O macaco capturado passou por exames para detecção de doenças, foi tratado, pois estava debilitado e com vermes, agora segue para o Zoológico de Cascavel.

A captura ocorreu de forma natural, com utilização de frutas para atrair o animal.

O outro macaco receberá os mesmos tratamentos.

Por Bruno Carraro

Comentários