QUINTA, 09/08/2018, 18:54

Justiça nega pedido da defesa de Mário Takahashi contra Comissão Processante da ZR3

Advogados alegaram que o vereador investigado teve o direito de defesa cerceado, mas argumentos não foram acatados pelo juiz. CP tem até o final da próxima semana pra concluir os trabalhos.

A defesa do vereador afastado Mário Neto Takahashi até tentou, mas não conseguiu derrubar a Comissão Processante da ZR3, que investiga ele o parlamentar também afastado Rony Alves por suposta quebra de decoro. No recurso, os advogados alegaram que a CP cerceou o direito de defesa de Takahashi, citando o fato dele não ter sido ouvido durante a investigação, que está em sua fase final.

A Justiça, entretanto, não acatou os argumentos, considerando a última reunião da comissão, em que o vereador foi convocado, mas não apareceu pra ser interrogado.

No dia apenas Rony Alves prestou depoimento. Ele falou por cerca de três horas e foi embora sem conceder entrevistas à imprensa.

Após o encontro, o presidente da CP, vereador José Roque Neto, reforçou que todos os prazos foram respeitados, e que Takahashi só não foi ouvido por que resolveu faltar. Ele considerou a atitude tomada pelo vereador como manobra pra atrasar ainda mais a investigação, que precisa ser concluída antes do próximo dia 23.

Rony e Takahashi são acusados de chefiar um suposto esquema de corrupção que, de acordo com denúncia do Ministério Público, cobrava propina de empresários em troca da aprovação de projetos pra mudança do zoneamento urbano do município. Nas últimas semanas, a CP que investiga a dupla ouviu cerca de 20 testemunhas de defesa e de acusação e, agora, espera pela apresentação das considerações finais por parte dos advogados dos investigados pra concluir os trabalhos.

O relatório final precisa ser entregue até o final da próxima semana, e votado em plenário antes do dia 23 de agosto. Se o prazo não for cumprido, toda a investigação corre o risco de ser arquivada.

Por Guilherme Batista

Comentários

Publicidade