SEGUNDA, 16/03/2020, 06:45

Mãe de filho autista reclama da falta de atenção às prioridades em instituições públicas e privadas de Londrina

Para ela os diretos do filho de 12 anos só são conquistados depois de denuncias e reclamações até no MP, tudo com muito esforço.

Luciene Mariano, tem um filho de 12 anos de idade diagnosticado com autismo.

Moradora de Londrina, na região norte da cidade, ela conta que sofre muito em diversos setores para ter os direitos do filho e dela garantidos.

De acordo com Luciene, o Mateus está sempre com ela para todo o lado que precisa ir, já que é ela que cuida dele em tempo integral.

Porém em instituições públicas e privadas, ela como mãe de autista, tem legalmente direito a filas exclusivas, atendimento prioritário e não é bem o que acontece. Luciene chegou a fazer denuncias no Ministério Público.

Segundo o advogado, Jossan Batistute, há dois embasamentos por lei que podem ser utilizados para recorrer aos direitos.

Em nota a prefeitura de Londrina afirma que a orientação é atender a legislação e dar prioridade no atendimento ao autista e a família ou acompanhante.  

Por Bruno Carraro

Comentários