QUARTA, 26/06/2019, 19:19

Ministério Público pede prorrogação para mais 90 dias do monitoramento eletrônico de Rony Alves

O prazo para que o vereador afastado use tornozeleira eletrônica terminou nesta quarta-feira.

Há pouco mais de dois meses a Justiça acatou parcialmente o pedido do Ministério Público em manter o vereador afastado Rony Alves com tornozeleira eletrônica.

O pedido era de 180 dias, mas a Justiça determinou 45 dias, o pedido havia sido feito pelo MP bem antes do prazo de monitoramento expirar.

Um novo prazo foi solicitado pelo MP, de mais 90 dias de monitoramento.

O prazo expirou, nesta quarta-feira, mas o vereador ainda permanece com a tornozeleira até nova decisão da Justiça, que pode sair nas próximas horas.

De acordo com o promotor do Ministério Público, Leandro Antunes, ressalta que o pedido é justamente para impedir que o parlamentar afastado tente de alguma forma ter contato com outros investigados da operação.

Ainda de acordo com Antunes, a cautelar é mais preventiva para preservar toda a investigação. O Tribunal de Justiça, segundo ele, já havia deixado em aberto a possibilidade de nova prorrogação do monitoramento. 

Rony Alves está afastado das funções públicas desde o início do ano passado, quando foi deflagrada a Operação ZR3. A investigação do Ministério Público apura um suposto esquema de corrupção que cobrava propina de empresário para aprovação de mudanças no zoneamento urbano do município.

De acordo com o advogado Maurício Carneiro, que representa Rony Alves, um pedido de retirada da tornozeleira já foi solicitado.

Por Bruno Carraro

Comentários