SEGUNDA, 13/11/2017, 19:53

Reunião entre juiz da Vara de Execuções Penais e representantes da OAB define medidas para tentar aliviar a superlotação do Centro de Triagem e agilizar a situação dos presos provisórios

Katsujo Nakadomari diz que o atendimento médico para os presos do antigo 4º Distrito está sendo providenciado e que novas vagas devem ser criadas até o começo de 2018.

Participaram da reunião com o juiz da Vara de Execuções Penais, Katsujo Nakadomari, quatro representantes da OAB Londrina.

Segundo o juiz, a situação do Centro Integrado de Triagem, o CIT, antigo 4º Distrito Policial, já está sendo resolvida, com o envio de atendimento médico para os presos. O caso foi denunciado pela Pastoral Carcerária de Londrina na semana passada. Segundo a denúncia da Pastoral, detentos da unidade estariam com sarna e outras doenças de pele.

De acordo com o juiz, não há mais onde colocar presos provisórios na cidade, cerca de 680, já que tanto o Centro de Triagem quanto as penitenciárias não têm vagas disponíveis.

De acordo com o juiz, a situação deve melhorar com a chegada de 10 shelters, uma espécie de barracão pré-montado, onde cabem 12 presos em cada. O juiz diz que o envio das estruturas foi confirmado pelo Depen. Segundo Katsujo Nakadomari, os shelters devem chegar a Londrina no início de 2018 e vão reduzir a superlotação do Centro de Triagem.

Durante a reunião, ficou decidido que os representantes da OAB vão encaminhar ao juiz da VEP um pedido para que determine que os advogados acompanhem os casos desde a audiência de custódia até a denúncia. De acordo com o presidente da Comissão de Estabelecimentos Prisionais da OAB Londrina, Felippe Anabuki, a mudança seria uma alternativa para reduzir o tempo entre a audiência de custódia e a denúncia. Segundo Anabuki, isso deve agilizar a situação dos presos provisórios e aliviar a superlotação do Centro de Triagem.

Por Marcos Garrido

Comentários

Publicidade