TERCA, 22/05/2018, 19:05

Tamarana consegue reciclar 24% do lixo produzido na cidade

Foram mais de 25 toneladas recolhidas no mês passado. 

No mês de abril em Tamarana foram produzidos mais de 105 toneladas de resíduos domésticos, só na área urbana. 79 toneladas foram de orgânicos e rejeitos e outras 25 toneladas foram materiais reciclados. O que representa 24% de reciclagem do total de lixo gerado. A média nacional é de 13%, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea.

Apesar desses números satisfatórios o Secretário do Meio Ambiente, José Carlos dos Santos, acredita que ainda é possível elevar em mais 15% o montante de materiais reciclados.

De acordo com o prefeito de Tamarana, Beto Siena, para materiais orgânicos e rejeitos, um projeto de instalação de aterro sanitário em Imbaú deverá atender a demanda da cidade, com um custo menor. A previsão é que o custo seja 50% à menos do que é pago hoje.  

O aterro deve começar a ser utilizado no próximo ano. O Instituto Ambiental do Paraná - IAP prevê liberar a licença entre o fim de junho e o início de julho.

A vida útil média do empreendimento é de 20 anos e o custo para a implantação está calculado em R$ 6 milhões. Para Tamarana o custo é de R$ 250 mil, já que são divididos entre os sete municípios que fazem parte do Consórcio Municipal Caminhos do Tibagi.

Os municípios envolvidos são: Tamarana, Imbaú, Ortigueira, Telêmaco Borba, Tibagi, Reserva e Ventânia.

Hoje Tamarana tem como contratada a empresa Kurica Ambiental para recolhimento de rejeitos e a Cooperativa de Coleta Seletiva e Reciclagem – Cooretam responsável pela reciclagem.

As atividades da Cooperativa têm subsídios da prefeitura. Está sendo pago R$ 390 por tonelada de material reciclado e a aquisição dos sacos verdes que são entregues pela cooperativa para a população. Os sacos já custaram mais de R$ 24 mil para o uso durante um ano.

Por Bruno Carraro

Comentários