QUARTA, 03/02/2021, 08:36

Vereadores novatos dominam comissões, mas têm participação mais tímida na primeira sessão do ano

Nos discursos, cobranças à prefeitura e defesa das bases eleitorais

 

Se na composição das comissões permanentes os novatos da Câmara de Vereadores de Londrina deram as caras, com 70% das vagas e ocupando a presidência na maioria delas, durante as discussões de projetos e no expediente da primeira sessão do ano, a atuação foi um pouco mais tímida.

Ao debaterem um projeto da legislatura anterior que concedia título de utilidade pública à Associação Metropolitana de Artesanato Pé Vermelho, dois vereadores novatos se posicionaram contrariamente: Jessicão e Santão, que relatou uma análise sobre a entidade alegando interesses duvidosos na obtenção do título.

Outra vereadora estreante, Lu Oliveira, saiu em defesa do projeto.

O projeto acabou sendo aprovado com 17 votos favoráveis e dois contrários.

No decorrer da sessão, outros vereadores novatos se manifestaram com pedidos de informação, como o de Matheus Thum sobre uma contrapartida da Copel para uma ciclovia na avenida Waldemar Spranger por conta da instalação dos superpostes na cidade. Lenir de Assis questionou as ações da prefeitura em relação à população em situação de rua, Mara Boca Aberta pediu que a prefeitura informe o valor repassado pelo governo do Paraná com a arrecadação do IPVA, enquanto Sônia Gimenes cobrou respostas sobre o desassoreamento do Lago Igapó.

A professora Flávia Cabral usou a palavra para falar sobre a preocupação com o retorno às aulas na rede municipal de ensino, ainda que seja no sistema híbrido.

Giovani Matos defendeu que o Legislativo trabalhe na desburocratização da máquina pública, para facilitar a atração de empresas e desenvolvimento da economia local.

Por Marco Feltrin

Comentários