QUINTA, 26/03/2020, 18:46

Associação Paranaense de Supermercados afirma que aumento de preços em alguns produtos estão sendo repassados pelos fornecedores

Os supermercadistas destacam que estão solidários à população e que este não é o momento de lucrar.

Associação Paranaense de Supermercados – Apras se manifestou por meio de nota sobre o aumento do preço de alguns produtos nos mercados de todo o estado.

A Apras aponta os fornecedores como culpados pelo aumento.

A nota diz o seguinte:

“Os empresários supermercadistas destacam que estão solidários à população e que este não é o momento de lucrar, mas apenas de garantir que não faltem produtos de necessidade básica na mesa dos brasileiros.

A Apras salienta que os supermercados, em geral, não estão medindo esforços para manterem os preços o mais baixo possível. Os seus associados informaram que não mexeram em suas margens e que apenas estão repassando as altas aplicadas pelas indústrias. 

As indústrias aumentaram os preços de diversos produtos, como o leite, por exemplo, que chegou a ficar 30% mais caro. As redes supermercadistas estão unidas clamando pela conscientização das indústrias para não praticarem preços abusivos.

O aumento do volume de compras por parte das indústrias, motivado pelo crescimento desenfreado do consumo, acabou fazendo com que os produtores também leiloem seus produtos para as indústrias, que acabam sendo forçadas a pagarem mais caro para garantir a compra.

A Associação destaca que o aumento no consumo da população também acabou refletindo diretamente na economia, já que as indústrias costumam trabalhar com uma programação de produção que não previa este crescimento. Para atender a alta demanda, é necessário aumentar a produção, o que exige mais turnos de trabalho, compras de última hora de algumas matérias-primas (que também sofreram reajustes), entre outros fatores que aumentam o custo do produto, como a oscilação do dólar.

Outro ponto é que as redes supermercadistas vinham trabalhando com grandes negociações, que resultavam na oferta de promoções e descontos aos consumidores. Porém, apesar do esforço das redes em manterem os preços especiais, os produtos deixaram de ser vendidos pela indústria com o desconto que costumavam oferecer.

Mesmo neste cenário, a Apras pede às indústrias para se engajarem e procurarem trabalhar com margens saudáveis e não abusivas, pois a sociedade precisa da empatia e da solidariedade de todos neste momento.”

A Apras ainda alerta a população para que não comprem além da necessidade e consuma com consciência, sem estocar alimentos, pois essas atitudes ajudam a manter os preços e evitam o desabastecimento.   

Por Bruno Carraro

Comentários