QUINTA, 01/10/2020, 15:41

Indústria puxa crescimento do emprego no Paraná com 42% das contratações de agosto

Das pouco mais de 7 mil vagas criadas no mês, destaque para o setor alimentício, o que mais contratou, e para a indústria automotiva, uma das mais afetadas na pandemia

O levantamento feito pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, mostrou uma recuperação das vagas no mercado de trabalho do Paraná e do Brasil em agosto. De forma geral, todos os setores, da indústria à agropecuária, passando pelo comércio, contrataram mais do que demitiram no mês. No Paraná, o saldo geral foi de 17 mil novos postos criados em todo o estado. Em relação à indústria foi o segundo mês seguido em que o setor teve grande responsabilidade no crescimento dos postos de trabalho no estado, com 42% das contratações feitas em agosto.

Das pouco mais de 7 mil novas vagas criadas na indústria paranaense no mês, quem mais contratou foi o setor alimentício, quase 1.300 trabalhadores. Seguido de perto pelo segmento de móveis, com pouco mais de 1.100 admissões.

Para o economista da Fiep, Evânio Felippe, os resultados de agosto são animadores, mas ainda não repõem todas as perdas acumuladas. Ele avalia ainda que a retomada dos empregos deve ser gradual e está vinculada ao retorno de todas as atividades econômicas.

No Brasil, o mês registrou 93 mil novos postos de trabalho na indústria. O estado de São Paulo foi o que mais contratou, 23 mil pessoas, seguido por Santa Catarina, com 11.400, depois Minas Gerais com quase 10.300 e na sequência o Paraná com as 7 mil novas vagas.

As duas únicas atividades com queda nas contratações em agosto foram a indústria de fumo e a de petróleo. O economista da Fiep explica que das 24 atividades da indústria avaliadas, 22 registraram alta em agosto no estado, uma delas foi o setor automotivo, um dos mais afetados desde o início da pandemia.

Um novo dado disponibilizado pelo Caged mostra os maiores empregadores da indústria. E o setor de alimentos é o campeão no Paraná, com mais de 205 mil trabalhadores. O segmento também teve o melhor saldo de empregos, disparado, no acumulado de janeiro a agosto deste ano, quase 9.400 vagas.

Por Marcos Garrido

Comentários