SáBADO, 13/05/2017, 09:45

José Luiz Favoretto é interrogado em audiência da Operação Publicano 4

Auditor Fiscal negou ter cometido qualquer crime  e disse ao juiz que todas as acusações contra ele se baseiam apenas na delação de Luiz Antônio de Souza.

A audiência de instrução começou com o auditor fiscal sendo interrogado pelo Juiz Juliano Nanuncio. Foram mais de 5 horas de depoimento. José Luiz Favoretto foi questionado sobre mais de 100 fatos criminosos investigados na Operação Publicano 4. Em determinado momento do interrogatório, Favoretto chegou a dizer que a injustiça dói e se disse ansioso por falar. O advogado Walter Bittar, que defende Favoretto e outros oito réus da Publicano, disse que os clientes foram orientados a não responder os questionamentos dos Promotores.

Durante  o interrogatório, o auditor negou todos os fatos criminosos e disse desconhecer o pagamento de propina na Receita Estadual. E afirmou que as acusações contra ele são baseadas apenas na delação premiada de Luiz Antônio de Souza. O advogado questionou as provas apresentadas pelos Promotores, entre elas alguns arquivos digitais apresentados pelo Ministério Público, que não teriam uma chave de segurança. 

Para o Promotor Jorge Barreto, as acusações de Favoretto contra o Ministério Público não têm fundamento e fazem parte da estratégia da defesa para tentar desqualificar a acusação.

O Promotor afirmou ainda que há provas robustas contra Favoretto.

Segundo o promotor, com o depoimento de Favoretto e outros três que devem ocorrer nesta segunda-feira, a fase de instrução da Publicano 4 está chegando ao fim. De acordo com Jorge Barreto, na sequência deve começar a fase de diligências, logo depois as alegações finais e a sentença do Juiz Juliano Nanuncio.

José Luiz Favoretto teve a prisão cautelar revogada em agosto do ano passado pelo Supremo Tribunal Federal. Na decisão, o ministro Gilmar Mendes entendeu que não havia razão para manter o auditor fiscal preso. Favoreto é réu da Publicano 4 e foi denunciado por 18 crimes, são casos de corrupção, falsidade ideológica e violação de sigilo funcional. O auditor também é réu em um que investiga uma rede de prostituição de menores e é monitorado por uma tornozeleira eletrônica. A Operação Publicano foi deflagrada em março de 2015 e investiga fatos criminosos praticados desde 2008.

Por Marcos Garrido

Comentários