QUARTA, 19/02/2020, 19:04

Pais ainda esperam respostas da Secretaria de Educação de Ibiporã sobre mudanças no ensino integral

Nesta quarta-feira os intervalos ocorreram como eram antes, mas ainda não há nada oficial.

Uma polêmica está sendo discutida ao longo de toda a semana na rede municipal de educação em Ibiporã.

Estudantes da rede em período integral passaram por mudanças desde segunda-feira quanto aos horários de lanches e de recreio.

Os pais alegam não terem sido avisados previamente.

De acordo com a mãe de um dos alunos da rede municipal de educação, Estefani Mori, o filho dela é autista está na 4ª série, ela disse que as mudanças geram traumas e desgastes para crianças como o filho dela. Já para as outras crianças os problemas são comuns de manter-se em sala de aula sem comer por mais de 3h.

O lanche é servido as 8h da manhã e depois as crianças só almoçam, há registros de crianças que ficaram doentes.

Segundo Estefani os pais ainda esperam respostas. Nesta quarta-feira os intervalos ocorreram como eram antes, mas ainda não nada oficial.

Nossa reportagem tentou insistentemente conversar com representantes da Secretaria Municipal de Educação ou da prefeitura.

No site da prefeitura ainda está a nota oficial sobre as mudanças.

Parte da nota diz o seguinte:

“Diante da necessidade de evoluir o ensino, melhorar o cuidado e a atenção com as crianças que estão sob a nossa responsabilidade, a Prefeitura Municipal de Ibiporã, através da Secretaria de Educação, esclarece a todos os pais de alunos das escolas municipais de ensino fundamental sobre algumas mudanças na rotina escolar.

Estamos adotando nas escolas fundamentais a mesma rotina aplicada com sucesso em nossos CMEI´S há vários anos.

ANTES:

Seu filho (a) chega na escola as 8h (alimentado ou com fome) e já entra para a sala de aula.

As 9:15 ou 9:30 sai para o RECREIO que é supervisionado pelo (a) INSPETOR (a).

A partir daí fica difícil saber se quem estava com fome se alimentou ou não da merenda fornecida pela escola.

As crianças (todos nós já fomos um dia e sabemos como são) saem para brincar.

Muitos esquecem de necessidades básicas, como ir ao banheiro, beber água, etc.

O (a) Inspetor (a) não dá conta de tanta criança.

Voltam nesta situação para a sala de aula.

E vão até o final do turno deste jeito.

A partir daí (do retorno do recreio) surgem outros problemas.

Os que não se alimentaram e, por estarem com fome, certamente têm seu aprendizado prejudicado.

Os que não beberam água pedem para sair da sala matar a sede e perdem conteúdo.

Os que não fizeram xixi, querem ir ao banheiro. Perdem conteúdo também.

Toca o sino, vão para o almoço se alimentam, descansam e vão para o segundo turno de aulas.

AGORA: Os alunos chegam as 8h na Escola. Todos podem tomar café da manhã juntos. Mesmo os que já vieram alimentados. São acompanhados por todos os professores do turno. Os professores estão tendo a oportunidade de orientar sobre a importância de ir ao banheiro, beber água, respeitar a água e o meio ambiente evitando desperdícios. Nos CMEI´s temos vários casos de alunos que não bebiam leite. Só de ouvir a professora explicando a importância do alimento, vendo o professor se alimentando, experimentou e passou a tomar leite também. O professor é referência para o aluno (sempre).

Estreitar o relacionamento com o professor. Dar oportunidade do professor conviver e ensinar fora da sala de aula também. Cuidar mais das nossas crianças. Evitar que pela fome, sede, vontade de fazer xixi, deixem de aprender. Ensinar que tudo tem o tempo certo no dia-a-dia.

As 8:30 vão para a sala de aula e lá permanecem até o fim do turno.

Toca o sino, vão para o almoço se alimentam, descansam e vão para o segundo turno de aulas.

Calma. A recreação está garantida e também tem a hora certa.

Todos os alunos têm assegurado suas aulas de educação física, informática, dança, capoeira, judô, artes, inglês, sem contar que os professores trabalham de forma dinâmica, lúdica, por meio de jogos matemáticos, teatro, dança, música, etc.”

Por Bruno Carraro

Comentários