TERCA, 10/09/2019, 19:40

Paraná retoma liderança da produção industrial brasileira

Enquanto indústria nacional teve queda de 1,7% no acumulado do ano, crescimento no estado foi de 7,2%. Setor automotivo foi o que mais impactou no resultado.

Os dados do estado e da região sul contrariam a tendência nacional. Enquanto em julho, o setor registrou queda de 2,5% no país, na comparação com o mesmo mês de 2018, e de 1,7%, no acumulado do ano, a indústria paranaense confirmou a boa fase. É o que revela a pesquisa mensal do IBGE, divulgada nesta terça-feira, que aponta para um crescimento de 4,8% da produção do estado em relação ao mesmo mês de 2018.

No acumulado de janeiro a julho deste ano, o aumento foi ainda maior, de 7,2%. E acabou fazendo com que o Paraná retomasse a liderança no cenário nacional. O Rio Grande do Sul ficou em segundo lugar, com alta de quase 7%, e Santa Catarina, em terceiro, com 4,2%.

E o setor automotivo foi um dos responsáveis por puxar essa alta da indústria no estado. O crescimento no mês foi de pouco mais de 25%. E o bom desempenho foi ainda melhor no acumulado do ano, com alta de 31,5%.

A performance do setor aparece também nos últimos dados divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos, que em julho registrou alta nos emplacamentos no país de quase 14% em relação ao mesmo mês de 2018. E a produção automotiva, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos, registrou alta de quase 9% em relação a julho do ano passado.

De acordo com o economista da Fiep, Evânio Felippe, um dos fatores que contribuiu para o bom desempenho do setor automotivo foi a recuperação gradual do mercado de crédito, que registrou uma queda significativa de quase 10% na taxa de juros anualizada e um aumento de mais de 30% no volume de dinheiro emprestado.

O setor de alimentos foi outro que também teve bom desempenho na produção industrial do estado, com alta acumulada de quase 9% no ano, principalmente o setor de carnes, que vem puxando esse crescimento. E o resultado pode ser ainda melhor, segundo o economista, com o anúncio de que a China habilitou novos frigoríficos brasileiros para exportação de carnes.

De acordo com o Ministério da Agricultura o número de plantas industriais brasileiras autorizadas a exportar carnes para o país asiático subiu de 64 para 89. Dessas 25 novas permissões, quatro são de indústrias paranaenses.

Por Marcos Garrido

Comentários

Publicidade