QUARTA, 21/03/2018, 19:29

Grupo de mulheres esperam o dia todo na rua os filhos ou netos terminarem as aulas na Apae

Presidente da instituição alega que não pode liberar acesso à escola.

Um grupo de oito a 10 mulheres esperam na rua todos os dias, de cedo até o final da tarde, os filhos e netos estudarem na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – Apae de Londrina.

O problema é recorrente, há três anos a CBN Londrina já havia mostrado as necessidades de mães e avós que ficam sentadas nas calçadas do entorno da Apae esperando as crianças saírem da unidade.

Elas vêm de longe, algumas da área rural e outras de regiões opostas à instituição. Por um período elas puderam utilizar a Paróquia, mas lá o acesso também foi limitado.

De acordo com o presidente da Apae, Valdemir Antonio Zago, a medida de restringir o espaço foi necessária por questões de segurança dos alunos e das próprias mães. O espaço deve ser utilizado pelos profissionais que atuam dentro da unidade e por alunos.  Ele esclarece que não pode exceções para essas mães.

Zago ressalta que, o espaço já foi de livre acesso e não havia controle já que a unidade possui mais de 300 alunos.  E isso gerou problemas sérios administrativos e comportamentais nos alunos.

A Paróquia próxima a Apae ainda oferece os banheiros caso as mães necessitem. Mas a administração afirma que a igreja não fica aberta o dia todo. 

Por Bruno Carraro

Comentários