SEXTA, 21/08/2020, 08:44

Período pré-eleitoral freia discussão de projetos na Câmara de Vereadores

Tanto legislativo quanto executivo mudam o foco na campanha para o pleito marcado para novembro

Com a proximidade das eleições municipais, o ritmo de discussão de projetos na Câmara de Vereadores caiu drasticamente. A pauta, que até junho tinha uma média de oito projetos debatidos por sessão, não passou de três após o recesso parlamentar de julho. Na última terça-feira, o único projeto a ser discutido, que altera o cálculo de horas extras dos servidores e tramita desde 2018 no Legislativo, foi retirado de pauta mais uma vez.

Nesta quinta, a pauta trazia dois projetos: um trata da doação de um terreno ao governo do Paraná para construção da sede do Conselho Tutelar na zona oeste, foi retirado de pauta pelo líder do governo por mais quatro sessões. O outro, de autoria do vereador Guilherme Belinati, torna obrigatório o teste de glicemia capilar em todas as crianças nascidas em Londrina. Como houve alteração no texto original, a proposta voltará a ser analisada pela Comissão de Justiça.

Para o analista político e professor de Ética e Filosofia Política da UEL, Elve Cenci, uma soma de fatores corrobora para a marcha lenta nas atividades do Legislativo neste período pré-eleitoral, incluindo a pandemia do Coronavírus. No caso dos vereadores, o foco acaba se voltando para um contato maior com a base eleitoral de olho no pleito de novembro.
De um lado, vereadores pisando no freio com foco voltado para a campanha. Do outro, o Executivo, também responsável por encaminhar projetos importantes para o desenvolvimento da cidade, tem deixado a desejar. Para Elve Cence, movido pelo mesmo interesse eleitoral.

Por Marco Feltrin

Comentários