TERCA, 06/07/2021, 17:19

Produtores rurais que ainda não atualizaram cadastro de rebanho devem comparecer à unidade regional da Adapar para regularizar situação

Informações são úteis para monitorar zoonoses e garantir que estado continue livre da aftosa sem vacinação.

Os produtores rurais tiveram dois meses para atualizar o cadastro de rebanho por meio do sistema online da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar). Com o fim do prazo, no dia 30 de junho, as equipes do órgão começaram a buscar quem ainda não renovou as informações.

Até a última sexta-feira (2), cerca de 80,6% dos cadastrados no Paraná haviam realizado o procedimento. Em Londrina, no entanto, o percentual está ligeiramente abaixo da média do estado, com 79,9% das atualizações comprovadas.

Aqueles com pendências no registro estão sujeitos a multa por conta do atraso. Marcelo Dieguez, fiscal da Adapar explica que além da autuação, os produtores rurais podem ficar impossibilitados de emitir a Guia de Trânsito Animal (GTA), um documento oficial e obrigatório para venda ou abate dos animais, por exemplo.

A única forma de fazer a atualização do rebanho, após o período regular, é comparecendo à unidade regional da Adapar. O fiscal afirma que até sábado (10), os produtores de Londrina e Tamarana ainda podem fazer o procedimento sem o risco de serem autuados. Apenas o registro do atraso deve ficar documentado.

Dieguez ressalta a importância de manter o cadastro com as informações em dia. Ele aponta que para o produtor, a atualização é essencial para regularizar a situação do rebanho e não ter problemas na hora de emitir a GTA.

O registro também ajuda no monitoramento de zoonoses, além de contribuir para a proteção contra a febre aftosa. No mês de maio, o Paraná conquistou a certificação de área livre da doença sem vacinação.

O núcleo regional de Londrina da Adapar fica na Rodovia Celso Garcia Cid, 375, mesmo local em que funciona o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR). Os produtores podem entrar em contato pelo telefone 2104-7900. 

Por Victor Assis

Comentários