TERCA, 05/05/2020, 19:23

Representante dos Camelôs do Centro de Londrina afirma que se fecharem as lojas terão que vender nas ruas

As 370 lojas da Galeria da Rua Sergipe ficaram fechadas por mais de 45 dias e pelo menos 30% dos comerciantes não vão voltar mais às atividades.

Nessa terça-feira a Galeria da Rua Sergipe, o Camelô Central de Londrina surpreendeu com o retorno das atividades mesmo sem receber autorização. O decreto do governo do estado que mantém fechados shoppings, lojas de galerias e academias ainda está em vigor.

No Camelódromo do Centro são 370 lojas que estão fechadas desde o dia 19 de março.

Depois que o comércio retornou às atividades de forma gradativa, os camelôs ainda tentaram atender alguns clientes nas calçadas do centro.

De acordo com o representante dos Camelôs, Fernando da Silva, muitos já estavam passando fome e precisavam retornar às atividades. Caso o poder público tente impedir eles de atender os clientes eles vão voltar a atender nas ruas de Londrina.

Ainda de acordo com Fernando, pelo menos 30% dos lojistas não vão retornar já anunciaram o fechamento das lojas e outros devem anunciar nos próximos dias.

Apesar de abrirem as lojas, Fernando ressalta que a categoria não quer ir contra as leis e contra as normas de segurança e prevenção. Estão atendendo da mesma maneira que os lojistas de rua atendem com segurança e sem aglomeração. Estão no mesmo horário do comércio.

Nossa reportagem apurou em outras galerias de Camelôs de Londrina, na região sul e norte, estão atendendo normalmente há pelo menos 15 dias, desde que o comércio de rua retornou.  

De acordo com o Comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar, Major Nelson Villa Junior, um Boletim de Ocorrência foi feito na tarde de terça-feira para que o representante dos lojistas cumpra o decreto estadual.

Agora a PM deve acompanhar se a medida vai ser acatada com o fechamento nesta quarta-feira. 

Por Bruno Carraro

Comentários