QUARTA, 26/06/2019, 19:19

Comissão das Clínicas Psiquiátricas ouve vereador e assistente social

João Martins e a filha, Greice Kelle de Souza, são citados em depoimentos prestados ao Ministério Público por funcionários e ex-funcionários das duas instituições investigadas.

A Comissão Especial se reuniu, nesta quarta-feira, para tomar mais dois depoimentos, do vereador João Martins, do PSL, e da assistente social Greice Kelle de Souza Silva, filha do parlamentar e que trabalha no Pronto Atendimento da Clínica Psiquiátrica de Londrina. Martins e a filha são citados em depoimentos, de funcionários e ex-funcionários da Villa Normanda e da Clínica Psiquiátrica de Londrina, prestados ao Ministério Público na investigação que apura uma série de supostos crimes nas duas instituições. Os vereadores da Comissão tiveram acesso aos interrogatórios feitos pelos promotores.

O presidente da Comissão Especial, vereador Vilson Bittencourt, do PSB, explica que o primeiro a ser ouvido foi o colega de Casa, que trabalhou na Vigilância Sanitária por 16 anos e se aposentou há três anos. O depoimento de João Martins durou cerca de uma hora e, segundo Bittencourt, o parlamentar desmentiu qualquer envolvimento no caso e ficou indignado com o fato do nome dele ter sido citado nas investigações.

Logo após o vereador foi ouvida a filha dele. A assistente social Greice Kelle Silva prestou depoimento acompanhada de um advogado, negou ter recebido informações privilegiadas da Vigilância Sanitária para “preparar” as clínicas para as vistorias e também ficou irritada.

Segundo Vilson Bittencourt, que coordenou a reunião, acompanhado de Eduardo Tominaga, do DEM, e do novo relator, vereador Roberto Fú, do PDT, diz que ainda falta ouvir os donos das clínicas, o médico Paulo Nicolau e esposa dele Mara Silvestre, e por isso vai pedir a prorrogação dos trabalhos da Comissão, instalada em março desse ano.

Em maio, o Ministério Público apresentou denúncia na 3ª Vara Criminal contra 37 pessoas, entre elas os proprietários das duas clínicas, que, junto com três enfermeiras, são acusados de cárcere privado, maus-tratos, falsidade ideológica, perigo para a saúde de outros pacientes e peculato. Os estabelecimentos atendem pacientes pelo SUS e funcionam em um mesmo imóvel, no Jardim Shangri-lá.

Grace Kelle Silva não quis se manifestar. O vereador João Martins afirmou para a reportagem da CBN Londrina estar tranquilo e negou qualquer participação em vistorias da Vigilância Sanitária, seja nas clínicas psiquiátricas ou em outras instituições semelhantes. Martins disse ainda que vai contratar um advogado para se defender na justiça de todas as acusações falsas.

Por Marcos Garrido

Comentários