SEGUNDA, 18/02/2019, 19:33

No Paraná o horário de verão pode ter economizado energia elétrica suficiente para atender a cidade de Maringá

Os dados oficiais ainda não foram divulgados mas a média fica entre 2% e 4% de economia na demanda diária.

E ai você já se acostumou com o fim do horário de verão? Estudos apontam que o nosso corpo pode levar até uma semana para se adaptar a um novo horário.

O horário de verão passou e contou com três semanas à menos do que nos anos de 2017 e 2018. A estimativa de redução no consumo de energia é sempre de 4,5% no Paraná, mas nesse ano a faixa de redução ficou entre 2 e 4% na demanda diária, segundo o gerente de gestão da Copel, Gustavo Klinguelfus, o que corresponde a uma cidade como Maringá.

Apesar desse resultado Klinguelfus ressalta que os números são positivos, mas os números oficiais do balanço ainda devem ser divulgados nas próximas semanas.

O horário de verão ocorre por três meses em 10 estados e no Distrito Federal.

Ainda de acordo com o diretor da Copel para o Paraná o horário de verão é importante e positivo, mas existe uma discussão em cortar de vez o horário porque não ajuda no horário de pico das principais cidades do país, no início da tarde com o uso extremo do ar condicionado.

Por isso algumas recomendações básicas e já conhecidas são fundamentais nesse período de verão, principalmente para quem tem ar condicionado que é o equipamento que mais consome energia elétrica. Nesse caso, os horários com maior frequência de uso desses equipamentos são entre as 2h e 5h da tarde.

O horário de verão brasileiro começou na década de 30. O governo prepara um estudo sobre a eficácia desse último período do horário para definir ainda nesse ano se haverá a mudança novamente. A intenção é saber se essa política atingiu o objetivo de economizar energia elétrica.

Por Bruno Carraro

Comentários