QUINTA, 27/01/2022, 18:54

Novo balanço da prefeitura registra mais 580 casos da Covid-19 e Londrina se aproxima de 100 mil positivações, desde início da pandemia

Boletim desta quinta-feira (27) confirmou uma nova morte pela doença. Número de casos ativos apresentou nova redução, mas cidade segue com mais de 1.200 pessoas com potencial de transmissão do vírus.

De acordo com o novo informe divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, Londrina registrou 584 casos da Covid-19, nesta quinta-feira (27), e um novo óbito causado pela doença. Trata-se de uma mulher de 73 anos, que estava internada em um hospital público da cidade desde o último sábado (22), mas não resistiu e morreu quarta (26).

Com os novos dados, Londrina soma 99.640 diagnósticos positivos e 2.344 mortes em decorrência do coronavírus, desde março de 2020.

O boletim da prefeitura apresentou uma queda significativa nos casos ativos, apesar de o indicador permanecer em patamar elevado. No relatório anterior, 1.412 pessoas estavam doentes e podiam transmitir o vírus. Agora, este número caiu para 1.251. Do total, 1.194 londrinenses estão se recuperando em casa e 57 pacientes estão internados. Destes, 22 estão em leitos de Terapia Intensiva e 35 estão sendo atendidos no setor de enfermaria.

Ao longo dos últimos cinco dias, a média móvel de novos casos segue em uma tendência de crescimento. No domingo, o índice estava em 477,7 e, na segunda, passou para 478,0. No dia seguinte, a taxa subiu novamente, para 497,7. Na quarta, ficou em 512,4 e, na última atualização, o indicador chegou a 541,4.

Segundo a atualização diária da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), nesta quinta-feira (27), o Paraná registrou 27.805 novos casos do coronavírus e mais 44 mortes, por conta da doença. São 27 homens e 17 mulheres, com idades entre 19 e 92 anos.

Os municípios de Paranaguá, Curitiba, Bituruna, General Carneiro, Londrina e Guarapuava, estão entre as cidades que registraram óbitos. Desde o início da pandemia, o estado totaliza 1.890.189 positivações e 40.884 vidas perdidas pela Covid-19.

Por Victor Assis

Comentários