QUARTA, 25/01/2017, 17:21

Projeto “Entrega Legal” têm 24 mães que entregaram seus filhos para adoção ainda em gestação

Psicólogos e assistentes sociais da Vara da Infância e Juventude querem evitar criminalização de quem quer adotar.

Criado em julho de 2015, um ano e seis meses depois 24 mães que entregaram os filhos ainda em gestação para adoção só em Londrina.  O projeto “Entrega Legal” visa inibir adoções ilegais.

Os dados são atualizados a todo momento, há mães ainda em acompanhamento e com processo em andamento.

Os profissionais iniciam o alerta que entregar é diferente de abandonar. E que entregar a criança para a justiça não é crime.

Segundo a juíza da Vara da Infância e Juventude de Londrina, Isabelle Noronha, as mães são recebidas sem qualquer pré-julgamento sobre o ato de entregar o filho. O que o projeto busca é conscientizar a mãe por meio de ajuda psicológica que o ato dela precisa ser feito de forma legal e irreversível.

Hoje mais de 200 casais estão habilitados à espera de uma criança para adotar. Esse projeto visa adiantar essa fila e reduzir o número de crianças que crescem em orfanatos, além de acabar com a ilegalidade.

Para a mãe que tem a gravidez indesejada pode procurar diretamente a 1ª Vara da Infância e Juventude no Fórum de Londrina ou buscar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência e falar que sobre o projeto “Entrega Legal” lá ela será encaminhada e direcionada sem qualquer preconceito.

Os profissionais que atuam na área da saúde, assistência social, líderes religiosos ou até líderes comunitários podem entrar em contato com grupo para orientações pelos telefones 3572-3338, 3572-3339, 3572-3340, ou ainda no 3572-3501.

O NAE - Núcleo de Apoio Especializado à Criança e ao Adolescente de Londrina fica na Avenida Duque de Caxias, 689 no Fórum de Londrina.

Por Bruno Carraro

Comentários

Publicidade