QUARTA, 20/10/2021, 17:35

UEL prevê volta total às aulas presenciais no fim de janeiro

Planejamento do segundo semestre letivo de 2021, que deve ser finalizado em novembro, terá também nova versão do Plano de Contingência contra a Covid. Entre as preocupações, o uso do Restaurante Universitário e da Moradia Estudantil.

A Universidade Estadual de Londrina começou a planejar o segundo semestre do ano letivo de 2021 e a previsão inicial é de retorno de 100% das aulas presenciais a partir de 24 de janeiro de 2022. A questão foi discutida em uma reunião virtual da Câmara de Graduação que contou com a participação de quase uma centena de professores dos Colegiados dos 52 cursos, além de diretores dos nove Centros de Ensino.

A Pró-reitora de Graduação da UEL, professora Marta Favaro, explica que a universidade manteve ao longo dos últimos meses uma série de atividades na modalidade presencial, principalmente nos cursos da área da saúde.

A Pró-reitora afirma ainda que o planejamento para essa volta às aulas presenciais em janeiro de todos os estudantes deve ser agora discutido com os colegiados, chefias e direções de centros da universidade.

De acordo com Marta Favaro, a decisão de retomar as atividades presenciais tem como principal justificativa o avanço da vacinação e a probabilidade grande de que até lá toda comunidade acadêmica já esteja completamente imunizada. Na segunda semana de novembro, a Câmara de Graduação da UEL volta a se reunir para avaliar o planejamento dessa volta, que só deve ser finalizado no fim do mês.

Segundo a Pró-reitora, a universidade também está preparando uma terceira versão do Plano de Contingência contra a Covid-19, que define todos os protocolos sanitários para o Campus e outras unidades, e deve ser apresentado já na próxima semana.

O retorno às aulas presenciais na UEL também vai exigir um reforço na higienização das salas de aula, laboratórios, sanitários e anfiteatros, entre outros espaços. Para isso, a Administração da universidade vai contratar uma empresa terceirizada para ajudar no serviço. Outra preocupação é com as regras para uso do Restaurante Universitário e da Moradia Estudantil, cujas normas vão ser definidas paralelamente ao planejamento das aulas.

Além disso, a UEL informou que vai conversar com a CMTU para redefinir o aumento da demanda pelo transporte coletivo nos horários de pico, já que a instituição tem mais de 13 mil estudantes apenas na graduação.

Por Marcos Garrido

Comentários