QUINTA, 06/08/2020, 18:53

Com perdas na arrecadação e nos repasses, Prefeitura de Rolândia aperta o cinto para conseguir fechar o ano

Prefeito diz que auxílios recebidos do Governo Federal cobriram menos da metade das perdas registradas até agora e previsão é ainda pior para o segundo semestre.

Dois trimestres completamente diferentes. No primeiro, ainda sem os impactos financeiro da Covid-19, o Município ia bem, inclusive com aumento da receita da ordem de pouco mais de R$ 5 milhões.  Já no segundo trimestre um cenário completamente diferente, de sérias dificuldades de caixa para a Prefeitura. A queda nominal na arrecadação foi quase R$ 4,5 milhões a menos, o que acabou neutralizando o incremento na receita do primeiro trimestre.

O prefeito de Rolândia, Luiz Francisconi Neto, afirma que os números da Secretaria Municipal de Fazenda apontavam, até março, para um ano positivo, de aumento das receitas. Mas, tudo mudou a partir de abril, e a perspectiva agora, segundo o prefeito, é de fechar o ano com um déficit de R$ 20 milhões nas contas.

O prefeito de Rolândia diz ainda que os valores recebidos até agora pelo Município, a título de ajuda financeira para o enfrentamento à pandemia não foram suficientes para cobrir a queda de receita.

Até agora, foram pouco mais de R$ 4 milhões, segundo o prefeito, menos da metade da perda de arrecadação do semestre, que chegou a R$ 10 milhões. E quase a totalidade desses recursos repassada pelo Governo Federal.

O prefeito diz que, ainda por cima, a arrecadação segue piorando mês a mês e os repasses do ICMS também caíram.  Segundo Francisconi, até agora nenhum auxílio financeiro direto do Governo do Estado, ou mesmo uma promessa de ajuda.

E a previsão para o segundo semestre é de que o cenário se agrave ainda mais e até algumas obras e investimentos sejam cancelados, afirma Francisconi, que também se mostrou preocupado com o fechamento das contas do mandato em ano de eleição.

Por Marcos Garrido

Comentários