QUARTA, 11/08/2021, 18:10

Indústria do Paraná tem crescimento de 18% no primeiro semestre

Segundo economista da Fiep, manutenção do cenário no segundo semestre vai depender de aprovação das reformas estruturais, da polarização política e da crise hídrica no Estado.

A indústria paranaense encerrou o primeiro semestre com crescimento de 18%. O resultado acompanha uma tendência do país, que no mesmo período registrou quase 13%. Os números foram divulgados na manhã desta quarta-feira, pelo IBGE. Apesar de positivos, segundo a Federação das Indústrias, os dados sugerem que o ritmo de crescimento vem desacelerando. Já que até maio, a alta acumulada era de 20%. Na avaliação mensal, o resultado de junho ficou quase 6% abaixo do mês anterior.

Segundo o economista da Fiep, Evânio Felippe, apesar de positivos os resultados sugerem uma certa acomodação, depois do forte crescimento da indústria registrado a partir do segundo semestre de 2020, mas, de acordo com o economista não representa uma piora de desempenho, já que os resultados do ano ainda são positivos.

Apesar do bom desempenho, Evânio Felippe alerta que não se pode cravar que a indústria vai manter os resultados no último semestre do ano. E, segundo ele, três pontos devem exercer influência para isso. A aceleração da campanha de vacinação contra a Covid-19, por exemplo, pode trazer um novo ânimo ao mercado.

Mas, o economista cita como pontos negativos para a manutenção do cenário positivo na indústria, as incertezas em relação às reformas estruturais, a polarização política e a crise hídrica no Estado.

Das 13 atividades industriais avaliadas pelo IBGE, somente o setor de alimentos, com quase 6% de redução da produção, e o segmento de celulose e papel registraram queda no primeiro semestre. Todas as outras cresceram, com destaque para máquinas e equipamentos, 83%, madeira, 53%, e o setor automotivo também com 53%.

Com a inflação em alta, segundo a Fiep, houve uma redução ou readequação no consumo das famílias, o que pode explicar o desempenho ruim do setor de alimentos no Paraná.

Por Marcos Garrido

Comentários