QUARTA, 25/07/2018, 20:19

Safra de grãos no Paraná já apresenta redução de 14% este ano, se comparado com o mesmo período de 2017

A queda de produção é resultado da estiagem dos últimos quatro meses, o que choveu não foi suficiente para regar o campo

São quatro meses sem bater a média estimada de chuva na região norte do estado, em todo o Paraná a situação de clima seco e estiagem, não é diferente.

De abril até junho não choveu o previsto para cada mês.

Em abril a expectativa era que chovesse no mínimo 93 milímetros, na região de Londrina, mas choveu apenas 10 milímetros. Em maio, o previsto era que chovesse 110 milímetros e choveu apenas 23. Já em junho era previsto 93 milímetros e choveu 31. Por fim, nesse mês o previsto era 80 milímetros e nada de chuva até agora.

Toda essa persistência de clima seco fez com que o Paraná já apresente resultados negativos da produção da safra de grãos esse ano.

De acordo com dados do Departamento de Economia Rural – Deral, a queda é de pelo menos 14%, se comparado com o mesmo período do ano passado. São quase seis milhões de toneladas à menos que estão deixando de ser colhidas.

De acordo com o economista do Deral, Marcelo Garrido, as plantações mais prejudicadas são do feijão, milho da segunda safra e o trigo. Só o milho da segunda safra aponta para uma quebra de 30% na produção e a redução na oferta dos grãos já está impactando nos preços de comercialização.

A safra total de grãos, considerando a principal que é a de verão, mais a segunda safra e safra de inverno 2017/18, deve apresentar uma produção de 35 milhões e 800 mil toneladas, contra um volume de 41 milhões e 700 mil toneladas colhidas no período anterior, de 2016/17.

Na segunda safra a produção estimada era de 15 milhões de toneladas, e deve ser produzido até 12 milhões de toneladas.

E a chuva não deve chegar na região norte do estado em grande volume tão cedo. De acordo com o meteorologista do Simepar, Fernando Mendes, está prevista uma chuva para domingo, mas uma frente fria deve fazer essa chuva desviar da região norte, o que não está confirmado, mas se vier será em poucas proporções.

O meteorologista ressalta que, essa frente fria com uma pequena queda de temperatura no domingo deve trazer para a região norte do estado mais chuva à partir do dia 2 de agosto.

Por Bruno Carraro

Comentários