QUARTA, 19/01/2022, 17:57

Socorro aos produtores rurais paranaenses

Em ofício encaminhado à Ministra da Agricultura, Governo do Estado e entidades do setor pedem uma série de medidas para tentar reduzir prejuízos da estiagem histórica.

O ofício foi enviado à ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, na última terça-feira e tem uma série de sugestões para tentar minimizar a situação dos agricultores paranaenses prejudicados pela crise hídrica. O documento propõe mudanças no crédito e no seguro rural, além do Proagro, programa do governo federal que garante o pagamento de financiamentos rurais quando houver quebra da lavoura causada por eventos climáticos ou pragas e doenças sem controle.

O ofício também sugere a distribuição de sementes para quem não tem condições de comprar para produzir a nova safra. O documento, assinado pelo secretário de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, é resultado de um trabalho conjunto do Instituto de Desenvolvimento Rural e das principais entidades representativas dos produtores rurais do estado, como o Sistema Ocepar e as federações da Agricultura e dos Trabalhadores Rurais.

Em entrevista à Agência Estadual de Notícias, o secretário disse que a expectativa por uma safra melhor que a anterior não se concretizou, apesar dos esforços dos produtores, e destacou as perdas geradas pela estiagem histórica no estado.

No ofício, as entidades e a Secretaria de Agricultura ressaltam que o Governo do Estado já colocou em prática uma série de medidas para socorrer os produtores, como a subvenção de juros para alguns investimentos e o fornecimento de capital para as mais de 170 cooperativas da agricultura familiar. Mas, o documento destaca que elas são insuficientes diante dos estragos causados pela estiagem.

As entidades pedem ainda no ofício ações imediatas para o crédito rural, como a criação de uma linha para os pequenos produtores que informaram perdas ao Proagro ou que acionaram o seguro. Além disso, eles reivindicam um auxílio emergencial para os produtores que utilizaram recursos próprios e linhas de crédito para as cooperativas, com juros pré-fixados e subsidiados.

No caso do seguro rural e do Proagro, o documento solicita mais rapidez nas vistorias, análise e julgamento dos pedidos. Com isso, aponta o documento enviado ao Ministério da Agricultura, os produtores poderão fazer a colheita e liberar as áreas para o plantio das segundas safras. O último relatório de estimativas de perdas da Secretaria de Agricultura indica que a quebra na safra de soja deve passar de 8 milhões de toneladas. Representando um prejuízo de mais de R$ 23 bilhões.

Com informações da Agência Estadual de Notícias.

Por Marcos Garrido

Comentários