SEGUNDA, 13/05/2019, 19:14

Ministério Público insiste para o Município interromper contrato com clínicas psiquiátricas investigadas por irregularidades e propõe acordo com o Hospital Evangélico para atendimento

Prefeitura ainda não se manifestou sobre o projeto que viabilizaria o HE na parceria com a prefeitura de Londrina.

As duas clínicas investigadas pelo Ministério Público na Operação Hipócrates devem ser desligadas da prestação de serviços ao município.

A intenção do MP é que outras entidades ou clínicas, regularizadas na prestação dos serviços, atendam a atual demanda de forma emergencial.

De acordo com o promotor de defesa da Saúde Pública, Paulo Tavares, é preciso fazer a recisão do contrato com as clínicas.

O município havia declarado que não tem outra possibilidade para continuidade do atendimento.

Mas o Hospital Evangélico já se colocou à disposição para prestar o serviço. 

Ainda de acordo com o Promotor, se o município não habilitar outra forma de atendimento será responsabilizado.

As clínicas são investigadas por aumentarem o período de internamento de pacientes e de outras irregularidades com fraude no Sistema Único de Saúde para receberem repasses do município. Entre os anos de 2015 e 2018, foram repassados no total para as duas clínicas mais de R$ 37 milhões.

A assessoria de imprensa do HE confirmou a possibilidade de atendimento e prestação do serviço e que já encaminhou projeto para o MP, mas aguarda posicionamento da Secretaria Municipal de Saúde.

O Secretário Municipal de Saúde, Felippe Machado, não pode responder nossos questionamentos, até o fechamento dessa edição, por questão de agenda.

Por Bruno Carraro

Comentários

Publicidade