SEGUNDA, 02/12/2019, 18:57

Preço da carne dispara 30% em dois meses e faz valor da cesta básica ultrapassar os 1.200 reais em Londrina

Outros nove produtos dos treze analisados também registraram alta entre outubro e novembro. Para especialista, único jeito de economizar é através da chamada pesquisa de preço.

A alta significativa no valor da carne vermelha foi confirmada pela tradicional pesquisa da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), que, mensalmente, levanta os preços dos produtos da cesta básica em Londrina. Entre setembro e novembro, conforme o resultado da pesquisa divulgado nesta segunda-feira, o valor do quilo do coxão mole, que é o corte analisado, disparou cerca de 30% na cidade, 22% apenas no mês passado.

A elevação nos preços da carne e também de outros nove produtos dos treze pesquisados ajudou o valor da cesta subir 15,7% no último mês. O valor para uma pessoa ficou em R$ 402,65 contra R$ 348,03 registrados em outubro. Já para quatro pessoas, dois adultos e duas crianças, o preço da cesta chegou aos R$ 1.207,95. De acordo com o economista Marcos Rambalducci, responsável pela pesquisa, esse é o maior índice registrado desde a época da greve dos caminhoneiros, movimento que parou o país em maio do ano passado.

Além da carne, que subiu 22% segundo a pesquisa, foram registrados aumentos significativos nos valores do tomate, 41% mais caro, do feijão, 25%, e da batata, que teve variação de quase 17% no último mês. Apenas o leite ficou mais barato entre outubro e novembro, conforme o levantamento.

O economista justifica o aumento da carne com uma série de fatores, entre eles a alta do dólar e o aumento considerável da exportação do produto brasileiro para a China.

Já em relação ao feijão, Rambalducci lembra que a safra do grão sofreu bastante com a falta de chuva neste ano, o que, segundo ele, prejudicou a colheita e, consequentemente, a oferta do produto ao consumidor.

Questionado sobre o que consumidor pode fazer para economizar, o economista disse que o único jeito é através da chamada pesquisa de preço. Segundo ele, o valor da carne pesquisado, por exemplo, variou mais de 100% entre o supermercado mais barato e o mais caro.

Por Guilherme Batista

Comentários