QUINTA, 09/09/2021, 19:15

Após quedas consecutivas, produção industrial paranaense volta a crescer em julho

Bom desempenho no mês fez com que estado alcançasse nível superior a período pré-pandemia.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última quinta-feira (9), o Paraná apresentou o quarto melhor desempenho na produção industrial brasileira em julho, com um crescimento de 3,3%, em relação ao mês anterior.

No acumulado de 2021, o estado chega a uma alta de 16,2% e é o sexto maior resultado do país, atrás de Santa Catarina, Ceará, Amazonas, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Apesar disso, os outros dois estados do sul apresentaram recuo no último levantamento.

Para o economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Marcelo Alves, o cenário positivo para a indústria paranaense é resultado de uma série de fatores. Entre eles, a recuperação de alguns segmentos, como o de máquinas e equipamentos, que registrou uma alta de 80%, além dos setores automotivo e a fabricação de produtos de metal, que também registraram saldos positivos.

Apenas três, das 13 categorias avaliadas tiveram queda no indicador. Apesar disso, ele aponta que outros motivos, de ordem econômica e social, como o desemprego, a instabilidade política e desabastecimento hídrico, reduziram o potencial de retomada na produção do estado.

O resultado industrial do Paraná também apresentou crescimento quando comparado ao período pré-pandemia. Alves avalia que as perspectivas para os próximos meses são otimistas, com base nos novos dados divulgados pelo IBGE.

Ele aponta, inclusive, para a possibilidade de um novo avanço de setores que, até então, apresentaram resultados negativos. Apesar disso, o economista reforça que aspectos como a inflação, a desvalorização do real em relação ao dólar e a possibilidade de crise energética no país podem representar riscos à produção.

Ainda de acordo com o relatório, ao longo dos últimos 12 meses, o setor automotivo é o que apresentou o melhor resultado, com crescimento de 83%. A fabricação de caminhões e reboques também registrou alta.

Outra área que segue com bom desempenho, em comparação a julho do ano passado, foi o de máquinas e equipamentos, que avançou 53%, em especial, com a produção de colheitadeiras e tratores agrícolas.

Por Victor Assis

Comentários