TERCA, 03/04/2018, 15:19

Terminal de Carga do aeroporto de Londrina está em fase final de privatização

Para entidade de classe a privatização vai possibilitar novos investimentos e mais agilidade do terminal.

Em trâmite para ocorrer há quatro anos, o Terminal de Carga do Aeroporto Governador José Richa, em Londrina, finaliza a privatização em poucas semanas. A licitação para concessão das operações de carga foi realizada no início desse ano.

Segundo o presidente da Associação Comercial e Industrial de Londrina – ACIL, Cláudio Tedeschi, a privatização vai possibilitar mais investimentos no terminal e mais agilidade.

De acordo com a Infraero a licitação de concessão ocorreu no dia 25 de janeiro desse ano e está em fase de homologação e entrega de documentos. A estatal por meio de nota explicou que, optou por realizar concessões de alguns de seus complexos logísticos com base em 4 pilares.  Investimentos: com a necessidade de ampliação e desenvolvimento da infraestrutura logística no país, a opção pela concessão reforça estes investimentos, ampliando a capacidade de atendimento e de geração de resultado; redução de custos: o modelo de contratação de empresas estatais necessariamente passa pelos processos de licitação que, nem sempre, obtém os melhores preços e serviços disponíveis. O parceiro privado tem ampliada a capacidade de negociação direta, por consequência, tende a conseguir melhores serviços com preços mais competitivos; ampliação do portfólio de serviços: apesar de toda a expertise, a Infraero também tinha reduzida possibilidade de negociação com parceiros que compõem as cadeias logísticas, tais como transportadores, agentes de carga, despachantes, entre outros. Além desta possibilidade, a exigência no edital de expertise por parte do parceiro privado amplia a possibilidade de prestação de novos serviços como door to door, serviços para e-commerce, separação e envio de produtos e serviços personalizados para cada cliente e necessidade; e incremento de receitas: com a garantia de obtenção de, no mínimo, o mesmo resultado anterior, com a ampliação de portfólio e redução de custos, a Infraero participará com um percentual sobre as receitas do concessionário o que lhe rende mais resultado do que no modelo anterior de gestão.

Segundo a Infraero o concessionário privado terá muito mais possibilidades de atender às necessidades específicas de cada cliente. Como a governança do aeroporto continua com a Infraero, os tetos tarifários estabelecidos pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) continuarão tendo que ser praticados, o que garante um teto nas tarifas praticadas.

A movimentação do Terminal de Carga de Londrina foi ampliada e vem se consolidando desde 2014, com o incentivo da Infraero e de empresários e associações locais. No entanto, ainda há grande margem para se explorar produtos e serviços em Soluções Logísticas. O novo concessionário privado poderá e deverá ampliar a utilização deste potencial.

De 2014 até julho do ano passado a Infraero movimentou no Terminal de Carga mais de 227 toneladas, sendo que no primeiro ano operou em déficit superior a R$ 391 mil, já no ano seguinte – 2015 houve superávit de R$ 86 mil, em 2016 de R$321 mil e no ano passado até julho, foram mais de R$ 258 mil em superávit.

Por Bruno Carraro

Comentários