TERCA, 26/01/2021, 16:28

Governador desmente informação de que trecho da PR-445 entre Londrina e Tamarana vai receber praça de pedágio ainda este ano

Ratinho Junior definiu o rumor como “fake news” e garantiu que novo modelo de concessão ainda está sendo formulado. Próximos contratos do pedágio serão discutidos em audiências públicas com a população a partir do dia 2 de fevereiro.

O estado do Paraná tem até novembro deste ano para definir o novo modelo de concessão das rodovias para as concessionárias de pedágio. Dessa vez, a discussão está sendo encabeçada pelo Governo Federal, que detém a maior parte das estradas que cortam o território paranaense. Durante a formulação dos próximos contratos, algumas informações começam a ser ventiladas. Uma delas, que poderia influenciar diretamente a situação de muitos motoristas da região, dá conta da suposta instalação de uma praça de pedágio na PR-445, em trecho da rodovia localizado entre Londrina e Tamarana. A possibilidade, no entanto, foi desmentida pelo governador Ratinho Junior durante visita ao município na segunda-feira. Ele definiu o rumor como “fake news” e garantiu que os detalhes do novo modelo de concessão ainda estão sendo formulados.

 

A diminuição no preço das tarifas citada pelo governador foi confirmada durante a primeira reunião realizada pelo governo para discutir o assunto. Participaram do encontro, na segunda-feira, representantes do setor produtivo do estado, deputados federais e também integrantes do Ministério da Infraestrutura. O modelo de concessão do novo Anel de Integração do Paraná deve contar com 3.327 quilômetros de extensão, 834 quilômetros a mais na comparação com o atual traçado, além de 42 bilhões de reais em investimentos. Entre as principais obras previstas, destaque para a duplicação de 1.700 quilômetros de rodovias em até sete anos em diversos pontos do estado.  Pelo projeto elaborado pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL), os valores pagos pelos motoristas também serão de 25% a 67% menores, dependendo da praça. Os descontos podem ser ainda mais atrativos para os usuários frequentes e para aqueles que aderirem à cobrança automática. A secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura, Natália Marcassa, ressaltou a importância da participação do setor produtivo estadual para a elaboração dos novos contratos.

 

Ela lembrou ainda que a população também vai fazer parte da discussão. A ideia do poder público, conforme a secretária, é realizar uma série de audiências públicas nas maiores cidades do estado para debater os principais pontos do contrato diretamente com o cidadão comum. Os encontros terão início no dia 2 de fevereiro.

 

Assim que as audiências forem finalizadas e o projeto readequado, o modelo de concessão vai passar pela análise do Tribunal de Contas da União e, posteriormente, ir a leilão na Bolsa de Valores. O governo pretende concluir os trabalhos, com o firmamento dos contratos com as novas concessionárias, ainda este ano.

Por Guilherme Batista

Comentários